fbpx

Financiamento Imobiliário volta a grandes valores na CEF

Caixa Econômica Federal dispõe de R$ 34 bi para financiamento imobiliário até o final do ano

Após um período de falta de funding no ano passado, a Caixa Econômica Federal acredita ter contornado a situação de falta de recursos para emprestar crédito habitacional. Naquele época o banco precisou tomar medidas para controlar a concessão de financiamento imobiliário.

Para isso, a Caixa precisou efetuar mudanças nos limites financiados, fazer cortes do financiamento imobiliário de usados e de empreendimentos e aumentar as taxas de juros. A boa nova é que agora a Caixa conseguiu diminuir boa parte dessas restrições, o que traz uma retomada significativa ao mercado.

Até setembro, a retirada líquida da caderneta de poupança somou mais de R$ 40 bilhões. Mesmo assim, a Caixa conseguiu guardar esse valor tomando três medidas para aumentar o funding para financiamento imobiliário, como afirma Nelson Antônio de Souza, seu vice-presidente de habitação.

Primeiramente, tiveram um aumento dos recursos fornecidos pelo FGTS para linhas de pró-cotista, representados por pessoas de classe média e alta, que, antes, usavam empréstimos com funding da poupança. Por segundo, o banco vendeu cerca de R$ 3,3 bi sendo parte de seu portfólio de crédito habitacional para o FGTS (via Certificado de Recebíveis Imobiliários). Essa ação permitiu a concessão de novos créditos para financiamento imobiliário.

A terceira medida é resultado de uma vantagem da Caixa Econômica Federal – por possuir a maior e mais antiga carteira de crédito imobiliário, um grande volume de recursos de poupança (cerca de R$ 18,8 bi) ficam disponíveis novamente mensalmente, conforme os financiamentos imobiliários vão sendo quitados.

Segundo Souza, o banco havia notado uma melhora no cenário nos últimos meses, com exceção dos 30 dias de greve pela qual passaram recentemente. Ele acredita que as propostas anunciadas em julho deste ano trouxeram junto essa melhoria para o setor de financiamento imobiliário, uma vez que eles decidiram aumentar o valor máximo de imóveis financiados (R$ 3 milhões) e voltar com o financiamento de construções.

Com essas medidas, o banco conseguiu disponibilizar o montante de R$ 34 bilhões para o financiamento imobiliário, e isso facilita para quem deseja obter a casa própria.

Entre em contato e conheça os empreendimentos e oportunidades da ACMA e garanta o melhor imóvel para sua família, aproveitando esse momento do financiamento com a Caixa.

 

Fonte: http://www.valor.com.br/financas/4739451/caixa-libera-r-34-bi-para-financiar-imovel-ate-o-final-deste-ano

Água Verde é um dos bairros mais cobiçados para se morar em Curitiba

Ao lado do Centro, o bairro Água Verde oferece vários comércios e áreas de lazer

Com uma extensão territorial de mais de 435 km², Curitiba é composta por 75 bairros. Como em toda grande cidade, algumas regiões são mais privilegiadas que outras, principalmente as mais próximas do Centro. De acordo com a pesquisa Perfil Imobiliário, realizada em 2015 pela Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do Paraná (Ademi/PR), o bairro Água Verde é o mais pedido na busca por imóveis (11%), juntamente com seu vizinho, Portão.

 História

Antigamente formada por fazendas e chácaras de italianos, a região tinha o nome de Colônia Dantas. Por causa da coloração verde que as algas deixavam no rio que passava por suas terras, os colonos passaram a usar o termo Água Verde.

Sendo um dos maiores bairros próximos ao Centro, o Água Verde oferece um grande e variado leque de imóveis, que vão desde casas e apartamentos pequenos até o alto padrão e comerciais, atendendo às demandas dos mais variados tipos de clientes. Além disso, o bairro conta com grande volume de comércio e centros empresariais, facilitando a vida de quem mora na região que, por conta disso, é muito valorizada.

Água Verde
A praça do Japão é o cartão postal do Água Verde (foto: Turismo Curitiba)

Além disso, o Água Verde possui grandes áreas verdes, com ruas arborizadas e o seu cartão postal, a Praça do Japão. Com 14 mil metros quadrados, 30 cerejeiras vindas diretamente do Japão e lago com carpas, a Praça é um memorial em homenagem à imigração japonesa. Entre outros, recebe eventos tradicionais japoneses, como o Haru Matsuri.

Por isso os curitibanos, ou quem passa a morar na capital paranaense, desejam tanto ter um lar no Água Verde. Com a união de comércio, lazer e residências, o bairro proporciona a valorização dos imóveis, além da comodidade de estar ao lado do Centro e de outros bairros importantes e nobres, como o Batel.

A ACMA Construções Civis Ltda. conhece bem a região a investe no melhor para seus clientes. Se está procurando um imóvel novo para morar, entre em contato e conheça as opções que a ACMA tem para oferecer no Água Verde.

Fotos: Instituto Municipal de Turismo de Curitiba

Fontes:

http://www.curitiba-parana.net/japao.htm

http://www.curitibaantiga.com/fotos-antigas/187/Origem-e-hist%C3%B3ria-do-bairro-%C3%81gua-Verde-de-Curitiba-pelas-algas-do-rio.html

http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=410690

http://www.curitiba-parana.net/bairros.htm

http://www.chavesnamao.com.br/noticias/decoracao-e-arquitetura/quais-os-cinco-melhores-bairros-para-se-morar-em-curitiba/

https://www.bemparana.com.br/noticia/438212/portao-e-agua-verde-sao-os-bairros-dos-sonhos-do-curitibano

Reaquecimento do Mercado Imobiliário está chegando

A hora de investir é agora: aproveite o reaquecimento do mercado imobiliário!

No início deste mês de outubro, o economista Ricardo Amorim destacou que o Brasil não passou por uma bolha imobiliária. Segundo ele, se isso tivesse acontecido, estaria tudo completamente estagnado, sem oportunidades de emprego, sem lançamentos na área da construção e sem previsão de reaquecimento do mercado imobiliário.

Mesmo passando por uma enorme contração econômica, o Índice FIPE/ZAP mostrou que, num cenário geral, o preço dos imóveis no Brasil apenas parou de subir, atingindo níveis de estabilidade em 2016. A queda nos preços foi percebida em raros casos, mostrando que o mercado imobiliário brasileiro não foi tão afetado e, por isso, há muitos lançamentos de prédios e pessoas vendendo e procurando novos lares.

A notícia boa é que o momento está favorável para quem deseja aproveitar o reaquecimento do mercado imobiliário e investir, comprando terrenos, galpões, imóveis residenciais e comerciais. O momento é bom também para quem deseja comprar a casa própria, aproveitando os preços do momento.

Segundo Amorim, o cenário futuro, com o reaquecimento do mercado imobiliário, é muito bom, principalmente para quem trabalha na área, vez que a previsão é da economia brasileira se estabilizar, a oferta de crédito voltar a se expandir e, consequentemente, aumentar o preço dos imóveis, a quantidade de lançamentos e o número de vendas concretizadas.

O economista ainda destaca índices que reforçam essa ideia de reaquecimento do mercado imobiliário. Já há previsão de crescimento superior a 1% do PIB brasileiro para 2017 e o índice IFIX da Bovespa, que mede o desempenho dos fundos imobiliários, subiu 20%. Espera-se que a taxa de juros comece a cair e que permaneça em queda no decorrer do ano que vem, permitindo o aumento das ofertas de crédito.

Por isso, entre em contato com a equipe ACMA, conheça nossos empreendimentos e garanta o seu novo imóvel para morar ou investir nesse momento de reaquecimento do mercado imobiliário.

Conheça no link a seguir o texto original de Ricardo Amorim sobre o reaquecimento do mercado imobiliário, utilizado como referência e inspiração para este artigo:

https://www.linkedin.com/pulse/hora-de-investir-em-im%C3%B3veis-ricardo-amorim

Acessibilidade urbana aumenta no Brasil após Paralimpíadas

Cidades passaram a se preocupar mais com a acessibilidade para os deficientes

Andar pelas calçadas, atravessar a rua, andar em transporte público e entrar e sair de edifícios. São coisas que pessoas fazem todo dia sem a menor preocupação ou esforço. Porém, para um deficiente físico, esses são grandes desafios quando se trata de acessibilidade urbana.

Desde 2009, a Secretaria do Patrimônio da União (SPU) trabalha para melhorar os acessos em construções públicas para deficientes e, por isso, criou a portaria 241/2009, incluindo em seus contratos a obrigatoriedade do cumprimento da legislação sobre acessibilidade, com suas especificações.

Deficientes x Acessibilidade?

Acessibilidade
Deficientes enfrentam desafios diários com acessibilidade

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), todas as pessoas vão possuir algum tipo de deficiência temporária ou permanente em algum momento de sua vida, seja quando tiver alguma lesão e não puder andar, ou quando não puder ouvir direito ou estiver sem óculos e não enxergar bem.

A acessibilidade, urbana ou não, afeta todos esses indivíduos. Segundo a OMS em seu Relatório Mundial Sobre a Deficiência, muitas vezes a deficiência depende do ambiente em que o indivíduo se encontra, que, sem a devida acessibilidade, cria barreiras à inclusão e a participação, resultando na deficiência.

O Relatório ainda mostra os resultados de uma pesquisa feita pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 2005. Realizada em 114 países, a ONU descobriu que muitos até possuíam políticas de acessibilidade, porém não eram muito aplicadas. Mais de 50% não mostraram padrões de acessos nas ruas e em ambientes ao ar livre. Ainda como resultado da pesquisa, 44% não tinham padrão algum para unidades de saúde, escolas e outros edifícios públicos.

Brasil, acessibilidade e paralimpíadas

Quando a cidade do Rio de Janeiro foi escolhida para ser a casa das Olimpíadas e Paralimpíadas neste ano de 2016, uma das exigências foi melhorias na acessibilidade urbana.

As mudanças vão desde calçadas com piso tátil até transporte público. Segundo a arquiteta do Centro de Vida Independente (CVI), ONG destinada a cuidar de projetos para pessoas deficientes, o Rio de Janeiro não passava por uma intervenção urbanística desse porte desde o Projeto Rio Cidade, da década de 90.

De acordo com a prefeitura, mais de 240 mil turistas estiveram na Cidade Maravilhosa durante as Paralimpíadas e os atletas foram 4.200. Além de projetos com acessos fáceis no Parque Olímpico para quem ia assistir aos Jogos, para as melhorias da cidade, 59 bairros passaram por reformas para incluir calçadas com piso tátil, destinada principalmente aos deficientes visuais.

Acessibilidade
Parque Olímpico foi criado com projetos pensados na acessibilidade

Outro quesito importante para melhorar a acessibilidade para as pessoas com deficiência é a mobilidade, ou seja, o transporte. Ônibus, trens e metrôs passaram por alterações para facilitar o embarque e o período dentro do veículo, com rampas, portas mais largas, espaço para cadeiras de rodas e validador de ticket mais baixo.

Dessa forma, o Rio de Janeiro deixou um legado sobre acessibilidade para todo o mundo. O objetivo é colocar em prática as políticas voltadas a esse assunto, a fim de aumentar a inclusão de deficientes.

Acessibilidade e edifícios

Desde 2004 está regulamentada a lei de 2000 que visa a acessibilidade em prédios residenciais de acordo com a norma 9050 da Associação Brasileira de normas e Técnicas (ABNT). Isso já vale para edifícios novos e também para as reformas de prédios antigos, de quando não se tinha aplicada a política de acessibilidade.

Os projetos já devem estar de acordo com as normas, incluindo especificações. Rampas devem ter no mínimo 1,20m de largura e inclinação máxima de 6%, com corrimão dos dois lados. Portas e corredores devem ser mais largos para facilitar a movimentação de pessoas com cadeiras de rodas.

A ACMA se preocupa com a acessibilidade de deficientes e, por isso, nossos projetos são sempre pensados com o maior respeito e consideração a essas pessoas. Projetos modernos e adaptados para que todos possam atingir seu direito de ir e vir com facilidade e satisfação, visando a inclusão.

Para saber mais, entre em contato: (41) 3322-1929

 

Fontes:

http://www.planejamento.gov.br/assuntos/patrimonio-da-uniao/manual-de-acessibilidade-para-predios-publicos

http://patrimoniodetodos.gov.br/pastaarquivo.2009-07-09.3759851862/Portaria%20241-2009%20Racionalidade%20de%20uso%20de%20imoveis%20da%20Uniao.pdf

http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br/usr/share/documents/RELATORIO_MUNDIAL_COMPLETO.pdf

http://www.ebc.com.br/noticias/brasil/2013/09/paralimpiadas-deixarao-legado-de-acessibilidade-diz-presidente-do-comite

http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/olimpiadas/rio2016/noticia/2016/06/paralimpiada-deixa-rio-mais-acessivel-para-pessoa-com-deficiencia.html

https://www.sindiconet.com.br/Informese/7180/Obras-e-Reformas/Obras-de-acessibilidade